21/08/2006

Amiga

Já lá vão uns anos desde que nos conhecemos!
Bonita, alegre, irradiando juventude, nos seus quase quarenta anos, e um agarrar a vida como não tinha visto até então.
Estendia a mão sempre que via alguém mais triste ou a sofrer.
Vi nela o rosto de uma irmã que se diz solidária em Cristo, tendo-O sempre como exemplo.
Também confia na Mãe, como uma filha pode e deve confiar. A Mãe que ouve e intercede junto do Filho que tanto amou.
Chamemos-lhe Maria (nome bonito, cheio de história, de sensibilidade, ternura e, acima de tudo, de muito amor).
Tem um marido preocupado, companheiro e atento; três filhos também deliciosos, as andorinhas já completaram o ensino superior e, o pardalito está no bom caminho.
Já lá vão cerca de vinte anos!
Dores de cabeça, dificuldades de atenção e quebras frequentes de memória. Iniciou, lentamente,o ensaio dos primeiros passos do Tango do Aleluia.
Consultas, visitas a consultórios, exames e, o diagnóstico: tumor na cabeça.
E o mundo ruiu a seus pés. Os meus filhos pequenos! Como me foi isto acontecer?
Foi à luta.
Uma luta entre dois quereres: o querer agarrar-se à vida e o querer da doença em avançar.
Lutou.
Os médicos lutaram e o tumor foi quase todo extirpado. Eu disse quase, não disse todo!
Quimioterapia com todas as suas consequências.
Radioterapia e, vitória, tudo ficou bem.
Foi um tal dar graças por aquilo que lhe tinha sido concedido.
A vida voltou ao normal: casa, família, escola, casa, família.

Já foi submetida a duas novas intervenções, sendo a última no estrangeiro.
Continua a fazer as sessões de quimioterapia, com todas as suas consequências, mas a alegria e a vontade de viver são cada vez maiores.
Nunca desistiu de viver, pelo contrário, ajuda a viver os que dela se aproximam. Tem sempre um sorriso, palavras bonitas, olhando à sua volta para dar graças por tudo de bom que a vida tem para lhe dar.
Sabe dançar melhor que ninguém o tal Tango volteando e rodopiando como poucos sabem fazê-lo.

Trouxe-a hoje a este espaço porque é uma das mulheres que eu mais amo e admiro. É minha irmã em Cristo e é uma mulher que tem vivido com Jesus a Sua paixão.

Vendo tanto sofrimento ao meu lado, não posso mais lamuriar-me.
Tenho que agradecer ao Pai o dom da vida e o espaço que Ele me concedeu para poder tornar-me feliz e para poisar a cabeça no Seu regaço de Amor, Verdade e Confiança.

Mas não é isto que eu faço.
Cobro sempre mais e, às vezes, dou por mim a tentar negociar.
Ainda não entendeste qual é o teu caminho?
Pobre peregrina-andante que andas muito distraída à procura do mais fácil e ligeiro.
O teu caminho não é esse. O teu caminho é aquele que tem que ser desbravado e aberto, pois Há caminhos não andados que esperam por ti!
A peregrinação faz-se construindo. Os caminhos já sulcados são caminhos que não te pertencem, já têm dono.
Procura e vai porque a meta que queres atingir, está lá, espera por ti!

4 comentários:

Eremita disse...

Lindo testemunho !!!
Há muitas Verónicas, recolhidas nas sombras do pilares da humanidade,que vão amparando as suas e outras cruzes...
Bem-hajam às duas.

andarilho disse...

Como gostava de agora, esta noite em que o silêncio dá espaço aos ruído das almas, como gostava de ser o primeiro a dançar com essa alma o Tango do Aleluia, para aperfeiçoar com ela os passos tão desastrados ainda no meu palco, a cruz que...

Eternamente grato peregrina andante pelas tuas palavras tão belas....

Andante disse...

Cara Eremita, eu é que agradeço ao Pai o ter-me concedido este espaço para poder partilhar o que me vai na alma. Há coisas bonitas e outras menos bonitas.
Com isto só pretendo uma oração pela minha amiga. Todos os dias, porque para o Pai não há dias, me lembro dela e de todos os meus amigos e não só.
Lembro também os amigos com quem partilho estes textos. Aqui não existe o conhecimento físico apenas aquele que brota do coração de todos nós e que nos ajuda a fazer a introspecção que muitas vezes queremos ignorar bem como o conhecimento do que existe de mais bonito em nós: a partilha do mesmo Amor e a vontade feroz de conhecer cada dia melhor o Senhor da vida.



Pois é querido Andarilho, cada um de nós vai também ensaiando os primeiros passos desse Tango. Umas vezes pouco firmes como os primeiros passos das crianças, outras trôpegos como são os passos daqueles que no silêncio da vida aprenderam sem querer e outras ainda de uma forma feroz (como nos "Cavalos também se abatem)pois a vida a isso manda.
Os teus passos são desastrados, mas são os teus, são o preâmbulo de um longo voltear e rodopiar até finalmente sentires a alegria plena do encontro com o Senhor da Vida.

Um grande beijo e um sorriso desta peregrina que também já ensaiou alguns passos desta coreografia.

Paz em Cristo, para as almas aflitas!

Marlene Maravilha disse...

Em alguns momentos lembrei de mim e da minha história. Parece um pouco. Podes comprovar o que quero dizer através do meu blog, em "meu testemunho". Prov. 24.10.
Nesta ocasião um versículo não me abandonava "Se te mostrares frouxo no dia da angústia, a tua força será pequena." Na minha fragilidade sempre sentia a força do Senhor. Este naõ me abandonava.
Estive no seu colo o tempo todo. Ali escolhi ficar e Ele foi fiel.
Sou forte porque o meu Deus é forte. E, eu posso tudo naquEle que me fortalece.
Abraços