28/06/2008

Estou triste!


Pois é!

Este espaço guardo-o para mim e é aqui que abro a alma.
Espero que ninguém me visite, pois iria apiedar-se e eu não quero que tenham pena de mim.
Dei-me o direito de escrever e dizer da minha tristeza na esperança de tentar exorcizá-la e arrumá-la novamente numa prateleira bem alta, lá no fundo, de modo a não a ver, nem sentir.

Mas é isto que eu sinto!
mais uma vez me senti agredida e até maltratada, não, não houve agressão física, por quem menos esperava.
Sinto-me tão só e triste...
Enquanto escrevo choro e nem as lágrimas conseguem lavá-la.
Cheguei a pensar no caminho mais fácil... sair sem destino e chegar quando me apetecesse.
Mas não, fico sozinha, "fecho-me no meu quarto", não para orar, mas para dar largas a este sentimento de impotência e de falta de serenidade.
Sinto-me fragilizada e, desta forma, não consigo abandonar-me.
Tenho evitado escrever, pois só penso na forma como tudo acontece, em catadupa, não me dando tempo para reagir e para pensar.
As reuniões na escola sucedem-se de forma alucinante. Entre os dias 25 e 27 tive seis reuniões. Algumas bem desgastantes!

De modo a não prejudicar os alunos dos cursos profissionais, os das Novas Oportunidades, na tentativa de lhes conceder mais uma oportunidade para acabar o módulo 4, dei mais um teste, antes das respectivas reuniões, numa altura em que tudo já deveria estar decidido. Mais uma vez senti que estava a dar "pérolas a porcos". Eles pensam que fazer e corrigir um teste não implica esforço e atenção da parte do professor. Não reconhecem o trabalho porque eles não querem trabalhar. Pretendem, apenas, "sacar" as classificações através do recurso sistemático de todos os esquemas possíveis e imaginários. Nunca pensei que se podia copiar, ou tentar copiar,de forma tão imbecil e descarada. Sãs mal-educados, raiando mesmo a insolência. Fazem acusações medíocres e descabidas na tentativa de justificar uma ignorância cruel culpando a professora.
Pobrezitos!

É por tudo isto e muito que fica por dizer que me sinto triste e cansada.
Muito cansada!
Tudo se desmorona na minha cabeça, tirando-me a capacidade de pensar e relevar as coisas de forma a minimizar as situações.

Será isto exaustão?

Nestes dias loucos, apenas a celebração de quinta feira ajudou a aliviar as tensões, pois aí celebra-se a vida e o amor...


5 comentários:

Rui disse...

Posso mandar-te um beijinho? E um abraço bom, caladinho, companheira.

Até já

Paulo disse...

Calma e respira fundo.

anawîm disse...

olha... deixa-me dizer-te que estou em Comunhão contigo, tá?

um abraço grande

Anónimo disse...

Amiga, tenho duas amigas professoras e bem vejo como elas andam e como sofrem. O desânimo que trazem estampado no rosto faz doer a alma a quem vê. Passas muitas vezes pelo meu pensamento. Pedirei Aquele que tudo pode, muita força para ti e para todos os que dela precisarem. Abraço
Filó

Patrícia disse...

Querida amiga, pela primeira vez entrei no teu blog. É extraordinário o que escreves, como escreves e os sentimentos que consegues partilhar mesmo com uma tristeza profunda. É complicado dizer-te para não estares triste, pois tens razões para isso mas lembra-te que tens à tua volta, na tua escola, amigos que, mesmo em silêncio, só querem o teu bem e que gostam muito de ti.
Eu sou uma delas. Respeito-te muito e rio-me muito à tua custa.
Um abraço muito apertado da tua amiga Patrícia