16/09/2006

Quem dizem os homens que Eu sou?

E vós, quem dizeis que Eu sou?

( do Evangelho de São Marcos)

Sempre que sou confrontada com esta passagem do Evangelho sinto algo a bater cá dentro, tal é a força que exerce em mim.

Quem dizeis que Eu sou?

Se olho, mas não quero ver!
Se ouço, mas recuso ouvir!
Se falo, mas não quero dizer!

Como digo que Ele é?

Irrito-me e Ele também se irritou... Mas será que tenho que incomodar tudo e todos com a minha irritação?
Hoje é dia não! Tudo vai à minha frente.
Não percebem, ou não querem perceber. É mais cómodo ver sempre um sorriso, muitas vezes forçado.
Mas hoje não! Hoje fica tudo em pratos limpos.


Fui à missa!
Vou sempre ao Sábado pois não gostando de rotinas, tenho necessidade delas e vão-se conhecendo as caras que deixam de ser pessoas anónimas tornando-se no outro que se passa a cumprimentar e a partilhar momentos e espaços comuns.
Conhecem-me melhor a mim que eu a elas pois exerço o serviço de leitora, logo tenho visibilidade.

Depois de algumas conversas com o pároco fui informando aqueles e aquelas que exercem algum cargo ou fazem um serviço que não os devem acumular na mesma Eucaristia. Mais uma vez, uma das pessoas anteriormente informadas e que se diz inteligente, e por várias vezes teve o cuidado de me dizer que é professora, logo pessoa de respeito, serviu em dois momentos diferentes: Leitorado e Ministério da Comunhão.
Pergunto-me:
Falo Chinês ou outra qualquer língua exótica que não me faça entender (não foi Jesus que falava, falava e falava muitas vezes pró boneco, pois ninguém o entendia?).
Eu penso que aqui impera a falta de bom senso...
Ou será que é para marcar a posição e dizer-me que não se faz como eu digo mas como a cada um apetece.
Quem ouviu foi o padre!
Tem que ser ele a marcar posição e a estabelecer as regras.
Também estava irritado!

E houve alguém que entendeu o meu enorme aborrecimento...

Voltando à frase do Evangelho, sinto que ainda tenho muito que crescer e amadurecer para olhar estas pessoas, cheias de vaidade por exercerem um serviço à paróquia, e ver nelas o rosto luminoso de Jesus Cristo.

Ainda não O consigo ver em todos os irmãos, logo não sei muito bem quem Ele é.
Compreendo bem estas coisas, não consigo pô-las em prática na sua totalidade, portanto não consigo responder, como Pedro respondeu: Tu és o Messias

E isto ainda aumentou mais a minha irritação! Entrou num ciclo vicioso.
Sinto que dou um ou dois passos à frente e meia dúzia deles para trás.
Será que alguma vez conseguirei olhar e vislumbrar alguma nesga do caminho?
A estrada torna-se mais e mais sinuosa e cheia de obstáculos.
A peregrinação também, e sobretudo, se faz na dor dos retrocessos e dos trambolhões que deixam mossas, arranhões e, algumas vezes, cabeças partidas.

Com estas atitudes só me afasto mais da santidade.
Não é para mim. Ponto final.

A minha cabeça dói por não ser capaz de responder à pergunta que me colocaste hoje no caminho.
O padre já me disse que devo fazer o esforço interior de ver o rosto de Jesus em cada irmão.
E conseguir?
Será que alguma vez conseguirei a perfeição?
Deixo cair demasiadas vezes os braços e até desistir...

Neste momento estou numa curva fechada do caminho e não vejo nada para o outro lado!...
Como será o próximo passo?
Não quero chegar à beira do precipício...


12 comentários:

andarilho disse...

Peregrina-Andante..sabes, na Peregrinação a Fátima, sem estar preparado, (fui apanhado de surpresa) o Sacerdote que foi peregrinar também connosco também, na manhã do 2º dia, chamou-me à parte e pediu-me para ajudar nas partilhas espirituais de cada dia. Havíamos combinado que eu ajudaria na parte da direcção de Laudes..mas….!

O dia era distribuído por 4 partes: Pequeno-almoço com Laudes e Partilha, a meio da manhã fazíamos outra paragem para repousar e comer algum reforço, nesse espaço de paragem, cabia-me a mim a 2ª partilha, ao almoço voltava a ser o padre e a meio da tarde a 4ª partilha era dada por uma Irmã consagrada que exerce o seu ministério num centro de recuperação de toxicodependentes….

Todas as partilhas com base no Evangelho de Marcos, teriam que seguir uma linha de pensamento e alvo.. «Chegar ao Santuário..!» provavelmente recordas Peregrina-Andante o Cântico: “Senhor, quem entrará no Santuário, para Te louvar?..Quem tem as mãos limpas, um coração puro…..” Foi através dessa perspectiva que desenvolvemos as partilhas…

No 2º dia, a partilha que me coube foi exactamente a do Evangelho deste Domingo! Agora imagina se podes claro!!! Este andarilheco, já cansado da caminhada da 1ª parte da manhã, a gesticular com o coração, os lábios, o olhar e os braços, tentando provocar outros corações para que voltassem a ter um novo olhar, o Olhar de Jesus… a conhecer o verdadeiro rosto de Jesus… no fim, desafiei a todos a fazerem 1ª hora de silêncio no 2º período da manhã, que acabava com a paragem para o almoço, desafio que consistia no seguinte: Cada um tentaria não falar com o companheiro(a) de caminho e fazer um esforço no silêncio para assim tentar escutar a voz do Senhor nas duas mesmas questões que também havia levantado aos Discípulos… Queria que respondessem a eles próprios se realmente conheciam a Jesus Cristo…. No ar ficou a questão: ”Quem era afinal esse Cristo dos Evangelhos para cada um de nós.. Será que já O conhecia-mos?!!!! foi lindo pela 1ª vez sentir o silêncio naquelas estradas….!

Beijos na alma...anjo de Deus...

andarilho disse...

ai senhoramia!!! ficou aqui um texto tão grande..hihii...safa..perdoa Peregrina-Andante...

jma disse...

TAnto o texto da "andante" como o do "andarilho", deixara-me a refletir e muito. Gostei muito do que li, mas dá muito que pensar e agir.
jma

Eremita disse...

Cara Andante tudo aquilo que fazemos com e por amor,ainda que muitos rejeitam ou não entendam,não deverá ser motivo de desânimo,porque Aquele que sonda nossos corações nos dará força na hora precisa.
Santo Domingo.

Andante disse...

Obrigada Andarilho pela partilha.
Aos poucos começas a abrir a alma e a deixar sair a experiência feita caminho, silêncio e fé. Quanto a mim são três vertentes (há mais) presentes na peregrinação.

Gostava de ter "chegado ao Santuário", entrar e louvar...
A maior parte das vezes tenho as mãos pouco limpas...

É fácil ver o rosto de Jesus entre pares. O difícil é vê-lo naqueles que nos são adversos, melhor dizendo, naqueles que caminham ao nosso lado, sem rosto, isto é, com quem privamos pouco ou coisa nenhuma.

Não te perdoo o texto grande, peço-te apenas que deixes a alma voar e dizer aquilo que pensas, seja em muitas, seja em poucas palavras.

Caro amigo Jma
Gosto de provocar. Já me conheces.

Obrigada Eremita pelo colo que me dás através das tuas palavras de amor

Para todos:

Beijos peregrinos

joaquim disse...

Cara Andante

Pobre de mim que procuro e tão pouco sei, para tentar responder à tua inquietação.

Costumo deixar-me levar pelo que o Senhor coloca no meu coração e o que Ele me dá é a resposta que Ele mesmo deu, tal como está em Mateus 16, 17
«És feliz, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que to revelou, mas o meu Pai que está no Céu.»

É portanto na entrega constante, na fidelidade permanente, que Jesus se vai revelando, ou o Pai nos vai revelando o Filho, por acção do Espírito Santo.

É nesta aceitação das nossas fraquezas e também as dos outros, que cada vez mais vamos podendo responder à pergunta: «E vós quem dizeis que Eu sou?», porque Ele se vai revelando em cada irmã e irmão e assim vamos cada vez mais vivendo a verdade de Jesus Cristo, o Filho de Deus vivo, que veio para nos salvar e connosco está até ao fim dos tempos.

Ser santo está ao alcançe de todos, porque ser santo é fazer a vontade de Deus em tudo a que somos chamados.

Está ao alcançe, o que não quer dizer que seja fácil.

Por mim vou tentando com a consciência que muito mais vezes faço a minha vontade, do que a dEle.

Perdoa a "catequese" ou a arrogância de querer ajudar a quem sabe mais do que eu.

Abraço em Cristo
Joaquim

Andante disse...

Olá Joaquim!

Depois de ter lido a tua catequese, fui estudar os Mandamentos e não para resolver um teste on-line para o curso de Síntese Catequética Avançada. Quanto mais estudo, menos sei.
Não é falsa modéstia, é mesmo ignorância...

Tudo o que dizes e sei e compreendo.
A razão encontra sempre explicações para quase tudo.
Mas a resposta àquela pergunta é que ainda não a consigo dar como devia: ver o rosto de Jesus em cada um dos irmãos.
É uma luta que estou a travar comigo mesma há já algum tempo. Tenho no entanto uma certeza, o trabalho de conversão do meu pobre coração nunca estará completo.
Luto, luto, mas...

Beijos peregrinos

xana disse...

querida andante,

como dizes, amar aqueles que tão bem queremos e que tanto bem nos querem é fácil. E é tão bom...
O difícil é amar aquilo e aqueles que nos atropelam, que nos magoam e nos ferem. Mas essa é a dura lição! A verdadeira lição de amar. E é uma lição que não se aprende - vai-se aprendendo.. E é a lição de uma vida inteira! A que Ele quer que aprendamos. O sentido de estarmos aqui.
Como alunos aprendizes que somos, resta-nos a vontade, a persistência e o empenho de a ir aprendendo e " pôr mãos à obra" com alguns exercícios de aquecimento, de aplicação ou até de remediação...
- um exemplo:
a) pensa em alguém com quem, por algum motivo, não consigas estabelecer uma empatia ou que até mesmo exista alguma antipatia..

b)tenta descobrir: O que existirá nesta pessoa que eu ainda não conheça e que me fará aproximar e gostar dela? O que haverá dentro dela de especial que eu ainda não tenha descoberto e que nos poderá aproximar?

c) vale a pena procurar, aceitar, de coração aberto, o desafio de encontrar no outro as coisas que nos aproximam, independentemente daquelas que nos afastam. Aprender a ver as primeiras também quando nos deparamos com a segundas. Quando conseguimos este equilibrio, não restam dúvidas: Veremos muito mais facilmente jesus naquele rosto.

Que te parece, querida andante ?

joaquim disse...

Cara Andante
Essa é uma verdade que não oferece dúvidas:
A conversão tem de ser diária e constante. Nunca acaba até ao encontro definitivo com o Senhor, por Sua graça.

Quanto aos meus irmãos e irmãs que ainda não consigo guardar com amor no meu coração, nos quais ainda não consigo ver Jesus, costumo fazer um "exercicio" muito simples, que é, usando a imaginação que Deus nos deu, "ver" o próprio Jesus Cristo, apresentar-me esse irmão/irmã e convidar-me a aceitá-lo na minha vida.
Como posso eu dizer não a Jesus, até porque Ele na Sua bondade infinita trata de tocar o meu coração.

Abraço em Cristo
Joaquim

Andante disse...

Obrigada Xana!

Obrigada Joaquim!

Desde que escrevi este post que não paro de me questionar e ver mais vezes no a Jesus.
Trabalho difícil, mas por isso mesmo mais esforço requer da minha parte.
Tento adoçar o caminho com avossa ajuda. E podeis crer, tem sido preciosa.

Só mais uma coisa, não mereço tanto mimo...

Ah! É verdade! Obrigada Xana pela lição... pelos exercícios de aquecimento, aplicação e remediação. Só faltam os "acompanhamentos" de que tanto gosta a Ministra da Educação... (risos cheios de ironia)

Beijos peregrinos.

xana disse...

mereces, pois...
claro que sim, que mereces!

Jose Eduardo disse...

Cara amiga Andante,

Ao fazer pesquiza para uma homilia sobre o tema "Quem dizem os homens que Eu sou?" encontrei esta linda reflexão não apenas sua, mas dos seus amigos! Obrigado pelo lindo testemunho de todos vós!

A jornada de "Seres Humanos" que somos, especialmente na integração dos princípios Evangélicos nem sempre é fácil... por isso tem valor! Se fosse tudo muito fácil, seria difícil reconhecer o valor do amor, do perdão, da reconciliação... enfim, de toda aquela "boa notícia" de que Jesus falou.

A jornada é sempre mais fácil quando nós a realizamos com outros... aqueles que também passam por dificuldades em aceitar tudo o que nos é apresentado como experiência, nova ou velha, mas que nos ajuda a sermos mais "completamente humanos"... a nossa fragilidade faz parte da jornada, mas também o reconhecimento de que somos amados, mesmo quando nos distanciamos daquele que nos quer amar com amor infinito e nos chama a fazer o nosso melhor para demonstrar o mesmo tipo de amor... a jornada é longa, mas vale sempre a pena!

Não somos chamados a sermos perfeitos (agora)... esse tipo de perfeição de que Jesus fala, dura uma vida inteira. No entanto, cada dia deverá servir de oportunidade para nos esforçarmos a melhorar a nossa vida, atitudes e visão humana "em rumo à perfeição"! Podemos não aceitar toda a gente tal como são, "hoje", no entanto somos chamados a tentar fazê-lo dia-após-dia!

Penso assim: Se Deus me ama com amor infinito, mesmo conhecendo intimamente a minha fragilidade, quem sou eu para não o fazer, e não o aceitar em relação a mim e ao meu próximo?

Um abraço muito amigo
José Eduardo
(Canadá)