16/05/2008

Carta aberta a Yeshu

Olá Yeshu!

Não posso deixar passar o dia de hoje sem Te dizer o que me vai na alma.

Eu sei que já sabes, pois vês com os meus olhos, sentes com o meu coração, vibras com todo o meu ser.
Falas do "Resto Fiel" que, ao longo dos tempos, abanou e agitou os que se iam deixando amornar ou que iam fechando os sentidos às Tuas manifestações.
A Tua Igreja, aquela de que Tu és a Cabeça, deixou-se amodorrar e banalizar, não encontrando soluções nem dando respostas a todos os que a vão questionando. É então que se ouve dizer:
"Eu sou católico não praticante!".
Mas o que é isto?
Ou se é ou não se é.
Para Ti não há meio-termo...
E chegou o Resto Fiel na pessoa do Rui.
Com ele, ninguém fica indiferente e, mais uma vez, se toma uma destas posições/atitudes:
  • deixar-se "amarrar", amar, entregar-se;
  • sair, pela calada da noite, qual ladrão que quer "trabalhar" sem se fazer notado/a, mas com grande visibilidade, isto é, manter-se pio/a à moda medieval e um santo inculto, pois não experimentou nem quer experimentar as amarras da paixão a fecharem-se de forma impiedosa, pois implica um entrega total e sem restrições

Eu andei pelo deserto.

Remava sozinha, no meio de um mar agitado, sem conseguir chegar ao porto, embora o visse ali mesmo, a escassos metros. Estava acomodada e pouco incomodada...

E encontrei!...

Senti de novo a paixão, mas uma paixão madura. Uma paixão que, de forma errada, chegou pelo caminho inverso.

Eu explico: primeiro chega a paixão que dá lugar ao amor, à entrega, à ternura e, finalmente, à amizade.

Esta não. Esta paixão está a construir-se e faz-se entrega total, sem restrições e com muita confiança.

É verdade que Tu deste tudo e, como meu modelo, eu quero dar-Te tudo.

Vem Yeshu e cumpre em mim os desígnios do Pai que, de braços abertos, espera ansiosamente que eu me deixe envolver e entranhar pelo mesmo amor total e irreverente que Tu viveste, enfrentando e afrontando os poderosos, que podem ser bem "pequeninos", na construção do Reino. Reino do amor, da paixão, da entrega.

Tua, sem restrições

Andante

4 comentários:

Anónimo disse...

Rezo em Comunhão contigo Andante. Sinto o que sentes, e não o saberia expressar tão bem...

Yeshu, Meste e Senhor nosso, Sê tu sempre, a nossa fonte e ispiração que nos conduz a Casa, onde "dançaremos" Eternamente, tanto quanto aprendermos a dançar aqui e agora. Quebra todas as nossas lógicas, presas a leis, ritos e preconceitos. Ajuda-nos nos ver como Tu Vês, a amar como Tu Amas.
Louvo-Te Yeshu, por ter a certeza que quanto mais nos Humanizamos,nos vais ressuscitando, tornando pertença do Amor Amante do Teu Espírito Santo.

Rui disse...

Oh Companheira... minha Companheira... como diz a nossa Maria, eheheh: BORA LÁ?!

Bora lá! Gosto muito de ti. Obrigado mesmo por te teres deixado desafiar e por te teres tornado entre nós um desafio tão bonito...

Grande Abraço!

SHALOM e até já...

Paulo disse...

Lindas palavras que aqui nos deixaste.

Maria disse...

Foi bom que voltasses.
Foi bom que falasses do lugar dos afectos.

Falei dele no meu blog.Penso que aprovas.

Grande abraço